Cadê a garganta que estava aqui?

O frio comeu!
Depois de passar a noite tossindo (pelos colegas de quarto devem ter curtido horrores) acordei tossindo uma secreção amarela-esverdiada com um pouquinho de sangue.
Encontrei Gilles e Silvia na cozinha/entrada do albergue, contei o que aconteceu e ele vira pra mim e diz “that’s great” eu pensei “oi?”, só mais tarde em Burgos fui entender, mas tudo bem. Ele perguntou se eu ia ver um médico eu disse que era melhor, daí fui olhar o papel informativo sobre atendimento médico nas cidades de Castilla e León e surpresa, em Atapuerca médico só as terças e quintas. Fui ver horário de ônibus para Burgos, só as sextas. Enquanto terminava de arrumar minhas coisas, a senhora francesa que dormiu no meu quarto viu a pulseirinha do Brasil que ganhei de Gabi, falou qualquer coisa que não entendi, só depois que ela pegou a bolsinha de dinheiro foi que eu entendi que ela queria comprar. Sorry, Gabi, acabei dando para ela. Parecia criança ganhando doce. Pelo que pude entender, ela adotou um menino em Itajubá, Minas Gerais, e repetia coisa como “meu bebê vai ficar tão feliz” ou coisas parecida. Achei que o bebê fosse uma criança, mas aí ela me puxa uma foto de um galalau enorme, mas tudo bem, mãe é mãe em tudo quanto é lugar. Acho até que de tanta saudade do filho ela não aguentou e a noite, enquanto já dormia, fui acordada com ela me cobrindo com o cobertor e pretendo embaixo de mim, sabe como é? Acordei claro, e ela fez um sinal ou qualquer coisa que entendi como “pra você ficar quentinha”, Enfim, amoleceu o coração atipatizado por franceses, devo dizer, foi uma fofa!
Terminei de me arrumar e fui até a cafeteria Las Cuervas onde tinha ido de manhã, para tomar café e perguntar se eles tinham o telefone de algum táxi.
Enquanto tomava café, entrou uma senhora francesa que era toda Tia Helena, o corpo, o jeito de andar e até a forma de mexer com as mãos, incrível! Deu saudade… Beijo, tia Helena, sei que Adriana está te mostrando o blog.
Dei um tempo até aliviar o lugar e peguei o telefone da central de táxi com a dona do lugar. Fui até o bar para ligar, mas estava fechado, volto para a padaria, espero eles atenderem os peregrinos que lotavam o lugar, pergunto se tem outro telefone e ela diz que por 0,50€ poderia fazer a ligação para mim. Esperei mais 30 minutos até o táxi chegar, detalhe, ele vem de Burgos. O táxi chegou, falei que queria ir ao médico e ele me levou a uma clínica que, segundo ele era mais tranquila e mais rápida que a emergência. Como disse Kate, é ridículo quando você percorre de carro em 10 minutos o que levamos um dia inteiro caminhando, mas tudo bem.
Cheguei na clínica e de fato estava vazia. A moça preencheu minha ficha e logo fui atendida. A médica me examinou, me transcreveu e já me deu um antibiótico para que eu tome por 1 semana. Falou para eu descansar por 3 ou 4 dias, colocou essa observação no papel do atendimento para que eu apresentasse no albergue.
Peguei o caminho que o taxista tinha me orientado até o centro da cidade onde fica, não só a Catedral belíssima, diga-se de passagem, como o albergue. Achei estranho que o albergue que entrei só tinham 16 camas, mas depois fiquei sabendo que tem um maior, na verdade. Adorei ter ficado nesse pequeno.
Assim que cheguei, meus serviços de tradutora foi requisitado pois uma australiana estava tentando conversar com Manoel, o hospitaleiro, mas eles não estavam se entendendo. No fim tudo se resolveu com a ajuda de Carla, a poliglota (men-tchira!). Ela queria ficar aqui depois de já ter passado a noite de ontem no outro albergue da cidade, os peregrinos não podem passar mais de um dia para que os que estão por vir tenham lugar onde ficar. Já fiquei tensa, mas já me preparando para ir para um hotel se fosse o caso, o cartão de crétido estaí pra isso mesmo, resolvemos os imprevistos e depois que venha a fatura, paciência. Enquanto pegava o papel que a médica me deu, fui explicando minha situação, antes mesmo de abri-lo ele disse “pode guardar, se a médica recomendou não tem problema”, falei que queria ver quantos dias ela tinha escrito porque, de fato, não me lembrava ao certo.
Depois de acomodada me arrumei para tomar banho, especialmente depois de ontem. Perguntei se ele tinha um secador porque nem sei quando foi a última fez que tinha lavado o cabelo por conta do frio que está fazendo, ele me deu e fui tomar banho feliz da vida.
Manoel é uma figura, fica cantarolando Roberto Carlos e agora a noite alguém comentou alguma coisa sobre um violão que tem ali no canto, pronto, foi a deixa para ele ficar todo soltinho, uma cantorinha danada agora a noite, legal pra variar!
Mas voltando aos acontecimentos cronologicamente…
Perguntei se tinha alguma loja de material fotográfico aqui perto, ele me indicou e fui. Comprei um cartão extra de memória para a máquina, já estou com quase mil fotos e isso porque não caminhei praticamente 3 dias, aproveitei para comprar um tripé como o de Gilles, é muito bacana especialmente para mim que viajo sozinha, só assim pegarei menos o chão nas próximas fotos, e por fim comprei uma bolsinha para a máquina para que possa deixar pendurada no pescoço para facilitar minha vida. Enquanto esperava a vendedora terminar com um cliente para eu perguntar onde tinha um telefone alí, vejo do lado de fora da loja as mineiras Bea, Regina e Rosângela. Sai correndo da loja parecendo uma maluca. Elas perguntaram como eu estava, contei o que aconteceu e soube que elas estão firmes e fortes e sem problemas, só de passagem por Burgos já que dormiram próximo daqui e iriam seguir no caminho.
Fui telefonar para André para comentar o e-mail sobre a locação dele, mommy, estou indo de volta para Salvador!!!! Não sei o mês ao certo, mas se tudo der certo, no segundo semestre, mais precisamente Julho, estarei de volta ao meu aconchego!!!
Reencontrei as mineirinhas no locutório, aproveitaram para ligar para casa. Dica do dia: usem os locutórios para telefonar, muito, mas muito masi baratos. Como lá também tinha internet, aproveitei para acessar e atualizar umas coisas no blog também. Não tanto quanto queria. Tanto para revisar como para escrever levo quase 1 hora, dá pra acreditar?
Enfim, como o frio insiste em marcar presença e não tenho mais roupa para tanto, resolvi comprar uma segunda pele, calça e blusa, para que eu possa fazer um revesamento, e além do mais não pesam. Aproveitei e comprei uma jaqueta daquelas corta vento, mas num tecido mais leve, me pareceu e agora, juntamente com o moletom que adquiri em Belorado, estou quentinha. Quer apostar quanto que amanhã começa o calor? Tô até vendo…
Almocei em um restaurante próximo à Catedral enorme, bela e imponete, tirei algumas fotos, só dela mesmo. Hoje estava meio sem saco para fotos. No caminho do albergue comprei minhas bugigangas de Burgos e uns chocolates. Enquanto escolhia os chocolates encontrei Jesus e o amigo dele. Apesar da dor no pé e do frio, ele continua firme e forte.
Quando cheguei no albergue, apesar de agora estar completo, só as alemãs que estavam aqui quando cheguei continuam. Elas estão mais que um dia na verdade também por recomendação médica. Michaela estava no mesmo albergue que eu em Belorado e pegou o mesmo ônibus que peguei para Atapuerca, ela ficou por aqui por conta de uma tendinite, pretende pegar um trem até León amanhã e ver se consegue seguir no caminho, disse que é a última tentativa, se não conseguir, vai curtir as férias num plano B. Juro que até pensei em ir visitar Aninha que está no sul da Espanha… Melhor não pensar nisso, vai dar tudo certo! Aproveitando faço uma enquete a vocês, caros amigos leitores, o que devo fazer depois de meus dias de descanso em Burgos? Seguir andando daqui ou ir até onde deveria estar e continuar de lá?
Depois de dar um tempo no albergue, voltei ao locutório e dessa vez passei 2 horas na internet, mais atualizações, cheguei a conversar com Adriana. Como o tempo passa rápido com umas bobagens que você faz online, tô pra ver.
Resolvi jantar na pizzaria que tinha visto no caminho. Fiquei toda feliz com uma Margarita (escrita assim mesmo) que vi lá, mesmo sem manjericão, mas quando veio parecia mais uma simples pizza de mussarela, mas tudo bem. Comi, tomei meus remédios e quando já estava pagando chegou Gilles e Silvia. Ele perguntou se já tinha comido, falei que sim e que já estava de saída. Quis saber como eu estava, falei que ia ficar por aqui, combinamos de conhecer a cidade amanhã.
Voltei para o albergue e acabei conhecendo as peregrinas que foram resgatadas nos Pirineus um pouco mais tarde no mesmo dia em que passei, Sue da Austrália e Velda da Nova Zelândia. Conversei um pouco com Michaela e uma outra alemã. Elas estavam tomando vinho, não pude beber por conta dos remédios. Pouco depois chegou um amigo delas e elas saíram aparentemente para curtir mais um sábado a noite. Fiquei aqui escrevendo ao som da serenata de Manoel, c’est la vie!

Anúncios

14 Comentários

  1. André said,

    15/05/2010 às 20:38

    hihihi, vendendo pulseirinhas do Brasil? O próximo passo é virar hippie, fazer uns dreads e tudo o mais.
    Mas legal vc encontrar Jesus no caminho de Santiago. Realmente o caminho tem algo espiritual. E quem seria o amigo de Jesus? Pedro? =P
    E como assim pizza marguerita sem manjericão? Totalmente fora do padrão, q nem as pizzas portuguesas do Nordeste q as vezes tem pimentão as vezes não.

    • Carla said,

      16/05/2010 às 5:36

      Oxe, mas eu não vendi a pulserinha, eu dei pra ela, tá?
      E boa pergunta, qd reencontrar Jesus pergunto como é o nome do amigo dele.
      E a pizza nao só não tinha majericão como não tinham tomate, vá entender… =/

  2. Sergio Mariano said,

    16/05/2010 às 21:20

    Oi, Carla! A minha muher tb teve problemas pulmonares no Caminho, talvez por conta das variações de temperaturas fora e dentro das florestas…
    Ao conversar com os médicos do Hospital onde ela esteve internada, aprendi que, lá no interior da Espanha, ainda há muita tuberculose “sobrando” e, por isto, é bom tomar o máximo de cuidado, em especial qdo o tempo está muito frio.
    Nós tivemos que parar uns dias tb por conta deste problema (Era “só” pneumonia!) e voltamos para o mesmo ponto, dias depois, para recomeçar de lá o Caminho. A coisa mais “chata” foi que, como já estávamos bem no final, ao chegarmos a Santiago não tivemos o “grande barato” de rever muitas das pessoas que haviam peregrinado conosco… [:(]
    Considere a hipótese de pular de Burgos até Boadilla, onde há o maravilhoso albergue do DUDU e aproveite para dar-lhe o meu abraço e uma bjk da parte da Zélia (Ele já esteve aqui em casa por uns dias!).
    Por outro lado, vc precisa observar que dentro em breve começará para vc um trecho difícil e cansativo que vai de Carrión de Los Condes até Calzadilla de la Cueza (mesetas)… Pense na hipótese de pular de Boadilla direto até Leon, que é uma cidade grande, “liiinda” e que tem todo o suporte adequado para Peregrinos. Em Leon vc decidiria o que fazer a seguir.
    Mas estas são apenas sugestões, que vc deve analisar e decidir se convém ou não para você.
    Como vc sabe, cada um tem o SEU Caminho e ele é sempre muito importante para cada um de nós!
    ¡Buen Camino!

    • Carla said,

      17/05/2010 às 5:12

      Oie,Sérgio!
      Valeu pelas dicas.
      Já decidi o que vou fazer.
      Nesse exato momento estou esperando o ônibus para León.
      A médica disse para eu descansar de 3 a 4 dias, descansarei 3. Dois já passei por aqui e hoje passarei o outro em León porque espero recomeçar amanhã cedo.
      Achei pelo pular um trecho contínuo, mesmo sendo muito interessante por três motivos: 1º porque se futuramenteresolver “completar” sei que vou de Belorado a León direto e pronto; 2º tenho a possibilidade de reencontrar o pessoal que iniciou o caminho comigo; e 3º quero ir a Finesterre andando, faço questão!
      Espero que os problemas tenham ficado para trás e que daqui pra frente seja só alegria e muito caminho, o tempo pelo menos está com cara que vai melhorar, apesar de ainda estar frio, não está tanto quanto estava e o melhor de tudo, SEM CHUVA!!!!!
      Dudu ficará sem teu abraço, mas é por uma boa causa hehehe
      Abraços!

  3. Sergio Mariano said,

    16/05/2010 às 21:54

    Tá legal! São muitos dias, mas tudo vai depender de como vc está se sentindo neste exato momento!
    ¡Sus! ¡Eia!

  4. Sergio Mariano said,

    17/05/2010 às 11:36

    He! He! Não se incomode com o abraço no Dudu! Fica para a próxima, qdo vc for “completar”! Parabéns pela sua sábia decisão!
    O trecho de Léon até Astorga não é nenhuma “Brastemp” e o que vi de mais interessante foi apenas a Ponte de Órbigo, mas dá para vê-la como turista também…
    Há ainda muito a caminhar, cerca de 300 Km; portanto, vá com calma e “curta” muuuuiiiito a Via Lactea…
    “¡El Camino es muy largo¡”, como se diz por aí.
    ¡ULTREYA!

    • Carla said,

      19/05/2010 às 11:45

      Devo dizer que relaxe.
      Isso aqui não tem de ser um fardo, tenho de curtir e chegar inteira em Santiago e é isso que estou buscando agora!
      =)

  5. Maria magalhaes said,

    18/05/2010 às 13:53

    Cau,
    Como está a sua saude? Te cuide Não exagera.
    Fiquei muito feliz com a sua volta para Salvador. Torci muito para isso.Mas sempre pedia a Deus para mostrar o que fosse melhor para vocês.Apesar da torcida.
    Beijos.

    • Carla said,

      19/05/2010 às 11:44

      Oie, minha mãe.
      Pode deixar que não vou fazer penitência por aqui não, estou mais relaxada.
      E sim, André fez concurso novamente e vai ver se consegue alguma coisa em Santos, vamos ver…

  6. Clara said,

    19/05/2010 às 19:53

    Vários comentarios:
    • como assim vc vai voltar pra SSA? vem de vez?
    • Qual eh o peso atual da sua mochila? Vc tem comprado bastante… Rsrsrs
    • Putz, a qntd de pessoas que vc esta conhecendo… Mto bom!
    • Melhoras!!

    Beijos

    • Carla said,

      20/05/2010 às 14:09

      Bom, DEVO voltar, não sei ainda, na verdade…
      André fez um outro concurso (te encontrou inclusive) pra ver se consegue ir para Santos, aí não sei como fica, deixa ver o resultado desse outro concurso.
      Quanto minha mochila não faço idéia como está, mas num post mais na frente vc vai ver como pesou as coisas de frio que trouxe e comprei por aqui. E ao contrario do que pensa, as compras, tirando os imãs específicos de lugares por onde passo (claro) tem sido só de coisa necessária mesmo.
      E sim, é um barato esse um bocado de gente que se conhece =)

  7. Sergio Mariano said,

    24/05/2010 às 14:38

    Oi, Carla!
    Ubi estis? ¿Donde estás? Where are you?

    • Carla said,

      29/05/2010 às 13:12

      Olha eu aqui! Estava no meio do nada incomunicavel.
      Breve posts atualizados! =)

      • Sergio Mariano said,

        29/05/2010 às 18:42

        Uff! Que bom! Pensei que vc estava fazendo greve com os seus leitores! :o)
        Aguardamos as novidades.
        ¡ULTREYA!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: